Microfisioterapia Como Nunca Foi Explicado

Maria Helena

Maria Helena

MICROFISIOTERAPIA

O que é?

A microfisioterapia é uma técnica francesa desenvolvida na década de 1980, por Patrice Bénini e Daniel Grosjean, sendo uma técnica manual que embora bem difundida nos países da Europa, é recente no Brasil, presente desde 2005. Baseado na embriologia e filogênese propõe a utilização de palpações suaves na pele, com o intuito de restaurar a vitalidade de todos os tecidos corporais, perdidos durante eventos da vida que ultrapassaram o limiar de defesa do organismo.

Como acontece?

Toda  vez que o organismo sofrer uma agressão de qualquer natureza (traumática, emocional, viral, microbiana, tóxica ou do ambiente) que ultrapasse seu limiar de defesa, essa agressão modificará a vitalidade do tecido atrapalhando o funcionamento das células e enfraquecendo o organismo, fazendo com que determinadas regiões ou órgãos estejam mais susceptíveis a doenças.

a técnica segue os princípios da homeopatia, de cura pelo semelhante. As micropalpações suaves e precisas simulam a agressão recebida fazendo com que o corpo entenda que deve realizar a auto-correção do problema. Isso é possível, pois existe uma espécie de mapa corporal que permite identificar os bloqueios de vitalidade tecidual, até mesmo os que aconteceram há anos, ou ainda na vida intra-uterina. As sessões são realizadas com intervalos de 30a 60 dias, prazo necessário para que o corpo promova a auto-correção e os resultados podem surgir desde a primeira até a terceira sessão.

INDICAÇÕES:

  • Ansiedade e Angústia;
  • Alergias;
  • Depressões;
  • Distúrbios do sono;
  • Dores físicas (lombalgias e cervicalgias);
  • Enxaquecas;
  • Fibromialgia;
  • Fobias e medos;
  • Síndrome do Pânico;
  • Traumas emocionais (morte, rejeição, injustiça).

Algumas associações que podem estar presentes:

  • Problemas de pele e pulmão: dificuldade de relacionamento;
  • Problemas de fígado e intestino: raiva contida;
  • Problemas de rim: dificuldade de adaptação a novos espaços;
  • Problemas de coração e vasos sanguíneos: dificuldade para lidar com a pressão do dia-a-dia;
  • Problemas em músculos, ossos e cartilagens: angústias diante dos altos e baixos do cotidiano;
  • Problemas na tireóide: excesso ou falta de vontade de realizar alguma atividade;
  • Hipertrofia (obesidade ou câncer): enfrentamento de adversidades;
  • Disfunções (problemas gastrintestinais e eplepsia): fuga de situações ameaçadoras;
  • Inflamações (doenças auto-imunes e ação de bactérias e vírus): resignação diante da necesidade de se submeter a algo;
  • Escleroses (reumatismo e cálculos renais): paralisia ante uma imposição da vida.

PROFISSIONAL RESPONSÁVEL:

Maria Helena Bessa Barros - Fisioterapeuta formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Mestre em Engenharia de Produção (UTFPR), Especialista em Fisioterapia do Trabalho e Gestão Industrial, Formação em Microfisioterapia.